sexta-feira, janeiro 08, 2010

Sobre a Assistência Espiritual



Sobre a Assistência Espiritual
    Somos todos assistidos espiritualmente.
    Há apenas uma diferença:
    Os grandes benfeitores da Humanidade, idealistas e devotados a sagrados propósitos em favor do semelhante, fazem-se seguir por Gênios do Bem que encontram neles a receptividade necessária para lançar idéias que aceleram o progresso em todos os setores da atividade humana.
    Já o homem comum tende a cercar-se de Espíritos que guardam correspondência com suas tendências imediatistas.
    O bebum é acompanhado por alcoólatras.
    O fumante atrai amigos da nicotina.
    O faminto do sexo liga-se aos viciados sexuais.
    O violento é dominado por entidades agressivas.
    O maledicente cerca-se dos gênios da discórdia.
    O indolente associa-se aos representantes da preguiça.
    Por isso, o Espiritismo sinaliza a necessidade de mobilizarmos nossas energias criadoras, nossos impulsos, na direção do auto-aprimoramento moral, livrando-nos das sombras para sintonizar com a Luz.
    Alegria, equilíbrio, paz interior, são os frutos de nossa adesão aos valores mais nobres, tanto quanto desequilíbrios variados sustentam-se de atividades que não interessam à nosso economia espiritual.
    O apostolo Paulo, que sabia dessas coisas, recomendava aos companheiros, na Epístola aos Filipenses (4:8):
    Tudo o que é verdadeiro,
    Tudo o que é respeitável,
    Tudo o que é justo,
    Tudo o que é puro,
    Tudo o que é amável,
    Tudo o que é de boa fama,
    Se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja tudo isso o que ocupe o vosso pensamento
    .
Livro: A Presença de Deus
Richard Simonetti



    Muita Paz

Perante a Oração

Perante a Oração


    Proferir a prece inicial e a prece final nas reuniões doutrinárias, facilitando-se, dessa forma, a ligação com os Benfeitores da Vida Maior.
    A prece entrelaça os Espíritos.
    Quanto possível, abandonar as fórmulas decoradas e a leitura maquinal das "preces prontas", e viver preferentemente as expressões criadas de improviso, em plena emotividade, na exaltação da própria fé.
    Há diferença fundamental entre orar e declamar.
    Abster-se de repetir em voz alta as preces que são proferidas por amigos outros nas reuniões doutrinárias.
    A oração, acima de tudo, é sentimento.
    Prevenir-se contra a afetação e o exibicionismo ao proferir essa ou aquela prece, adotando concisão e espontaneidade em todas elas, para que não se façam veículo de intenções especiosas.
    Fervor dalma, luz na prece.
    Durante os colóquios da fé, recordar todos aqueles a quem tenhamos melindrado ou ferido, ainda mesmo inconscientemente, rogando-lhes, em silêncio e a distância, o necessário perdão de nossas faltas.
    Os resultados da oração, quanto os resultados do amor, são ilimitados.
    Cancelar as solicitações incessantes de benefícios para si mesmo, centralizando o pensamento na intercessão em favor dos menos felizes.
    Quem ora em favor dos outros, ajuda a si próprio.
    Controlar a modulação da voz nas preces públicas, para fugir à teatralidade e à convenção.
    O sentimento é tudo.
    "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação." - Jesus. (MATEUS, 26:41.).

    Livro: Conduta Espírita
    André Luiz & Waldo Vieira



Direito ao conhecimento

The Literacy Site

Crianças e saúde

The Child Health Site